Home Comunicar Índice Referências Ligações

Desordem por Défice de Atenção com Hiperactividade (DDAH)

Home
O que é a DDAH?
Identificar as DDAH
Etiologia
Prevalência
Tratamento
A escola e a DDAH

 

A Desordem por Défice de Atenção com Hiperactividade (DDAH)  é uma problemática que começa por criar dificuldades na aprendizagem e na adaptação do indivíduo ao meio nos seus primeiros anos de vida e que, na maioria dos casos,  se prolonga pela sua vida adulta, não podendo, pois, ser considerada apenas uma condição do ser criança que se ultrapassa com o amadurecimento.
A DDAH é uma perturbação do desenvolvimento que afecta o comportamento, a atenção e o autocontrolo. Tem uma base essencialmente neuropsicológica e os factores genéticos conjugam-se com as experiências do indivíduo no seu meio ambiente, para moldar o seu comportamento e a forma como enfrenta e se integra na vida em sociedade.
A DDAH tem, pois, uma origem biológica, não sendo o resultado da forma como as crianças são educadas, da formação dos pais, do seu estatuto social ou económico, da sua religião ou das suas crenças.

O objectivo desta página

Há muito pouca informação sobre esta perturbação mental em língua portuguesa.
O objectivo principal desta página é manter na Net informação em português sobre uma perturbação mental que nem sempre é bem compreendida, mas que se pode tornar altamente incapacitante para crianças e adultos se não for objecto de uma adequada intervenção.
Ao apresentar uma visão global da problemática, espera-se ajudar os educadores a compreender as atitudes destas crianças. 
Acrescentamos sugestões de algumas estratégias que podem facilitar a integração destas crianças na escola, que é normalmente o contexto onde os seus comportamentos são sentidos como mais atípicos e onde se apresentam maiores desafios para garantir o seu sucesso educativo.

 

[ Home ] O que é a DDAH? ] Identificar as DDAH ] Etiologia ] Prevalência ] Tratamento ] A escola e a DDAH ] [ Ler ou escrever mensagens ]


Comentários sobre esta página podem ser enviados para

J. Fernando Gonçalves